PECADO: SUA GRAVIDADE (II)

EVANGELHO – Jo 11, 45-56

Naquele tempo: Muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. Alguns, porém, foram ter com os fariseus e contaram o que Jesus tinha feito. Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o Conselho e disseram: “O que faremos? Este homem realiza muitos sinais. Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação”. Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus. Por isso, Jesus não andava mais em público no meio dos judeus. Retirou-se para uma região perto do deserto, para a cidade chamada Efraim. Ali permaneceu com os seus discípulos. A Páscoa dos judeus estava próxima. Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém para se purificar antes da Páscoa. Procuravam Jesus e, ao reunirem-se no Templo, comentavam entre si: “O que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”
– Palavra da Salvação
– Glória a vós, Senhor

Olhar para Jesus
: O Evangelho de hoje, continuando o de ontem, diz que muitos judeus se converteram vendo a ressurreição de Lázaro. Por outro lado, os fariseus e doutores da Lei que tinham ódio de Jesus, ficaram com mais ódio ainda e reuniram-se em conselho com o Sumo Sacerdote, Caifás e determinaram matar Jesus. “Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o Conselho e disseram: “O que faremos? Este homem realiza muitos sinais. Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso Lugar Santo e a nossa nação”. Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus”.

Com muita dor no coração, vemos o ser humano criado por Deus, por pura bondade, querer matá-lo. Continuemos a falar sobre a malícia do pecado:

* * *

O PECADO É UM MAL, POIS:

g) Leva-nos a sermos ingratos a Deus: Deus nos dá tudo, a nossa vida, nossas qualidades, nossos dons, todas as suas graças ao longo da nossa vida, dando saúde, protegendo-nos contra muitos males, dando oportunidades incríveis, pessoas que nos amam, que cuidam de nós, além disso nos dá toda a maravilha da criação e inúmeras coisas mais e preferimos a nós ao invés dEle.

h) Leva-nos a sermos ingratos com toda a sua obra da Redenção e com seus dons sobrenaturais e nos leva a esterilizar toda a obra da Redenção: com o seu amor misericordioso, veio à terra, morreu por nós na Cruz livrando-nos da condenação eterna e nos deu todos os sacramentos e dons do Espírito Santo para seguirmos a estrada do bem, da salvação e, no entanto, desprezamos tudo isso. É o pecado o que esteriliza em nós a obra da Redenção, que impede que cresça e prospere na alma a boa semente das inspirações e dos estímulos da graça: tanto o pecado grave como o venial. É verdade que, enquanto cometermos somente pecados veniais, estamos na graça de Deus, e seguimos pelo reto caminho, mas as pequenas infidelidades e as numerosas faltas impedem-nos de andar com desembaraço: a vida espiritual não prospera, as graças não produzem os efeitos desejados. Somos o terreno pedregoso em que a boa semente da graça não pode fixar as suas raízes. E assim esterilizamos a obra da Redenção em nós e nos outros.

i) Leva-nos a ir contra Cristo: o pecado é dirigido contra Cristo, Senhor e Salvador. Para nos arrebatar do pecado e da miséria, baixou à terra o Filho de Deus, que veio para «salvar o que estava perdido» (Mt 18, 11). Como nos ama, quanto sacrifício desde o nascimento até à Cruz! Por nós, por cada um de nós, sofreu tudo isso, somente para obter a graça da adoção divina e as incontáveis graças de que vamos precisar. Nós, em recompensa, pecamos e desprezamos todos os seus sacrifícios. E a dor mais aguda da agonia no horto do Getsêmani foi esta; Ele previu, com clarividência divina, a ingratidão com que lhe iríamos corresponder: «Ó meu povo, que que te fiz eu, em que te contristei? Responde-me! Porque te libertei da escravatura do Egito, ofereceste-me uma cruz; porque te conduzi através do deserto, alimentando-te com o maná celestial (dando-te uma pátria onde corre o leite e o mel) preparaste a cruz para o teu Salvador? Eu te cumulei com o meu poder, e tu, em recompensa, cravaste-me na cruz. Ó meu povo, que que te fiz eu, em que te contristei? Responde-me! (Impropérios da Sexta-Feira Santa).

j) Leva-nos a causar um dano em nós mesmos: o pecado prejudica-nos também a nós próprios, é a maior desgraça que nos pode suceder. Podendo conviver com Deus aqui na terra, ao cometer um pecado grave cortamos a união com Ele que é fonte infinita de todas as forças, da alegria, da paz, do amor; que é fonte da vida plena, infinita. Das alturas da posse de Deus, precipitamo-nos no abismo do seu afastamento. E, se permanecermos assim, a morte cortará a última fibra que nos mantém ainda unidos à vida, para cairmos para toda a eternidade nas trevas, no inferno, onde haverá «choro e ranger de dentes», no eterno afastamento de Deus, de todo o bem, de toda a felicidade e de toda a alegria. Onde só haverá infelicidade, ódio e amargor por toda a eternidade.

2. Dizer não aos mandamentos

Não poderíamos dizer não aos mandamentos, pois a finalidade de cada um deles, como Deus é Amor, é que reine o amor na terra e, de modo pleno, no Céu. E reinando o amor, reine a felicidade e a paz.

Porém queremos saber mais do que Deus e dizemos não a algum deles ou a vários ou a todos.

Para ver a malícia de dizer não ou desprezar algum mandamento, basta fazer o exercício mental de ver como desobedecer a qualquer um deles não leva ao bem, ao amor, mas ao mal. Vocês podem encontrar estas considerações nas minhas homilias, pois tenho procurado abordar constantemente este tema.

* * *

Como dissemos ontem, que estas palavras deste autor nos sirvam para refletir sobre a gravidade do pecado e para lutarmos com todas as forças contra ele.

PECADO: SUA GRAVIDADE (II)

You may also like

SÃO TOMÉ APÓSTOLO: SUA VIDA
EVANGELHO - Jo 20, 24-29 Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, ...
JESUS CRISTO: SEU SAGRADO CORAÇÃO
EVANGELHO - Jo 19, 31-37 Os judeus temeram que os corpos ficassem na ...
NOSSA SENHORA: MÃE DA IGREJA
EVANGELHO - Jo 19, 25-34 Naquele tempo, perto da cruz de Jesus, ...
ESPÍRITO SANTO: FESTA DE PENTECOSTES
EVANGELHO - Jo 20, 19-23 Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da ...
BÍBLIA (19): REI DAVI (2)
EVANGELHO - Jo 21, 20-25 Naquele tempo: Pedro virou-se e viu atrás de ...
VIRTUDES HUMANAS (13): PACIÊNCIA (3)
EVANGELHO - Jo 21, 15-19 Jesus manifestou-se aos seus discípulos e, ...
PLANO DA SANTIDADE (12): 3 AVE-MARIAS
EVANGELHO - Jo 17, 20-26 Naquele tempo, Jesus levantou os olhos ao céu ...
DOUTRINA (13): JESUS CRISTO (1)
EVANGELHO - Jo 17, 11b-19 Naquele tempo: Jesus ergueu os olhos ao céu ...
JESUS CRISTO: O AMOR POR ELE (3)
EVANGELHO - Jo 16, 29-33 Naquele tempo: Os discípulos disseram a ...
BÍBLIA (18): REI DAVI (1)
EVANGELHO - Jo 16, 23b-28 Naquele tempo, disse Jesus aos seus ...
Page 1 of 22
Rolar para o topo