PECADOS (2): CONTRA O SEGUNDO MANDAMENTO


EVANGELHO – Mc 6, 17-29

Naquele tempo, Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado. João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. Por isso Herodíades o odiava. Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu te darei”. E lhe jurou dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. Ela saiu e perguntou à mãe: “O que vou pedir” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.
– Palavra da Salvação
– Glória a vós, Senhor

Olhar para Jesus:
hoje lembramos o dia em que São João Batista, este grande santo e precursor do Messias, foi martirizado, tendo a sua cabeça sido decepada e levada, de modo bárbaro, numa bandeja para os convidados da festa de Herodes.

Até a época de Cristo, havia muita barbárie pelo mundo. Cristo ensinará outra forma de lidar contra o mal, contra a injustiça: “amai os vossos inimigos”; “fazei bem àqueles que vos perseguem”.

Este ensinamento cristão foi se espalhando e, pouco a pouco, a barbárie foi desaparecendo tornando-se restrita a grupos isolados e às guerras.

Falando de amar os inimigos, vamos dar continuidade à nossa reflexão os mandamentos e o pecado mortal que acabei deixando para trás.

Hoje gostaria de falar sobre o segundo mandamento da Lei de Deus: “não tomar seu santo nome em vão”.

Muitas pessoas pensam que estas expressões que usamos no cotidiano, “ó meu Deus”!, “Nossa Senhora”!, “Vixi (Virgem Maria)”, são pecados contra o segundo mandamento. Não, dizer estas expressões como normalmente a dizemos, não é usar o nome de Deus em vão.

Vejamos, então, o que diz o segundo mandamento da Lei de Deus: este mandamento cumpre-se honrando o Nome de Deus (e tudo o que a Ele se refira).

Deus é Santo, e o seu Nome é santo porque o nome representa a pessoa: há uma relação íntima entre a pessoa e o nome que tem, como a há entre o país, o seu governo e o embaixador que o representa. Quando se honra ou se despreza o embaixador, honra-se ou despreza-se o país por ele representado. Do mesmo modo, quando falamos de Deus, não devemos pensar simplesmente numas letras, mas sim no próprio Deus, Uno e Trino. Por isso havemos de santificar o seu Nome e pronunciá-lo com grande respeito e reverência.

No Pai-Nosso, pedimos: “Santificado seja o vosso Nome!”; devemos esforçar-nos para que o Nome de Deus seja glorificado em toda a Terra.

Com as devidas adaptações, deve também ser honrado o nome da Santíssima Virgem Maria, de São José, dos Anjos e dos Santos.

Devemos respeitar tudo o que está consagrado a Deus, ou seja, as coisas, pessoas ou lugares que lhe foram dedicados por designação pública da Igreja:

a) são lugares sagrados as igrejas e os cemitérios: neles se há-de observar um comportamento respeitoso e digno;

b) são coisas sagradas o altar, o cálice, a patena, o cibório e outros objetos dedicados ao culto;

c) são pessoas sagradas os ministros de Deus – padres, religiosos -, os quais merecem respeito pelo que representam, e dos quais nunca se deve falar mal.

Pecados contra o segundo mandamento:
– pronunciar sem o devido respeito, por gracejo ou por brincadeira o nome de Deus (em geral é pecado mortal; em alguns casos, pode ser apenas pecado venial)
– dizer palavras ou fazer gestos injuriosos contra Deus, contra Nossa Senhora, contra os santos ou contra a Igreja (é pecado mortal)
– jurar por Deus e com este juramento mentir (pecado mortal)
– jurar por algo que é ilícito (jurar vingança) (pecado mortal)
– fazer algum voto, promessa, juramento e não cumpri-lo (se não cumprimos por desprezo, é pecado mortal)

Lição: que saibamos respeitar a Deus e o nome de Deus e todas as coisas sagradas por sabermos quem Ele é, e que saibamos pedir perdão a Deus por todas as pessoas que não honram o nome de Deus, blasfemando contra Ele e contra os sacerdotes.

PECADOS (2): CONTRA O SEGUNDO MANDAMENTO

You may also like

CARIDADE (16): COMBATER O EGOÍSMO (2)
EVANGELHO - Mc 8, 14-21 Naquele tempo: Os discípulos tinham se ...
JESUS CRISTO (12): O AMOR POR ELE (1)
EVANGELHO Mc 8, 11-13 Naquele tempo: Os fariseus vieram e começaram a ...
PECADOS: PEDIR A CURA DELES MUITAS VEZES E COM TODA SIMPLICIDADE
EVANGELHO - Mc 1, 40-45 Naquele tempo: Um leproso chegou perto de ...
BÍBLIA (17): REI SAUL
EVANGELHO - Mc 8, 1-10 Naqueles dias, havia de novo uma grande ...
VIRTUDES HUMANAS (11): PACIÊNCIA (1)
EVANGELHO - Mc 7, 31-37 Naquele tempo: Jesus saiu de novo da região de ...
PLANO DA SANTIDADE (10): SANTA MISSA (2)
EVANGELHO - Mc 7, 24-30 Naquele tempo: Jesus saiu dali e foi para a ...
DOUTRINA (11): PECADO ORIGINAL (2)
EVANGELHO - Mc 7, 14-23 Naquele tempo: Jesus chamou a multidão para ...
FARISEUS: QUEM ERAM
EVANGELHO - Mc 7, 1-13 Naquele tempo: Os fariseus e alguns mestres da ...
JESUS CRISTO (11): É O PRÓPRIO DEUS (2)
EVANGELHO - Mc 6, 53-56 Naquele tempo: Tendo Jesus e seus discípulos ...
BÍBLIA (16): JUÍZES
EVANGELHO - Mc 6, 30-34 Naquele tempo: Os apóstolos reuniram-se com ...

Page 1 of 12

Rolar para o topo