ESPERANÇA (2): LIÇÃO DE JESUS COM MARIA MADALENA

EVANGELHO – Mt 28, 8-15

Naquele tempo: As mulheres partiram depressa do sepulcro. Estavam com medo, mas correram com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos. De repente, Jesus foi ao encontro delas, e disse: “Alegrai-vos”! As mulheres aproximaram-se, e prostraram-se diante de Jesus, abraçando seus pés. Então Jesus disse a elas: “Não tenhais medo. Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão”. Quando as mulheres partiram, alguns guardas do túmulo foram à cidade, e comunicaram aos sumos sacerdotes tudo o que havia acontecido. Os sumos sacerdotes reuniram-se com os anciãos, e deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, dizendo-lhes: “Dizei que os discípulos dele foram durante a noite e roubaram o corpo, enquanto vós dormíeis. Se o governador ficar sabendo disso, nós o convenceremos. Não vos preocupeis”. Os soldados pegaram o dinheiro, e agiram de acordo com as instruções recebidas. E assim, o boato espalhou-se entre os judeus, até ao dia de hoje.
– Palavra da Salvação
– Glória a vós, Senhor

Olhar para Jesus
: a festa da Páscoa é tão grande que vai durar 50 dias. E estes 50 dias nós chamamos de Tempo da Páscoa. O Tempo da Páscoa é um tempo de profunda alegria, de profunda esperança, que são decorrências da ressurreição de Nosso Senhor. Assim como ontem, gostaria de aproveitar as próximas homilias para falar sobre a virtude da esperança, que é uma virtude fundamental para a nossa existência.

O que não faltam hoje são pessoas tristes, sem brilho nos olhos, desesperançadas. Meditando na ressurreição do Senhor e nas cenas posteriores narradas no Evangelho, veremos como um cristão não tem motivo nenhum para não ter esperança. Mais ainda: deve ser movido por uma profunda e enorme esperança em sua vida. Para ilustrar esta verdade, vou citar nestas homilias um livro do Padre Francisco Faus que se chama “Cristo, minha esperança”. Hoje vamos falar da esperança em Maria Madalena.

* * *

Quando o Domingo de Páscoa começava a clarear, um grande silêncio envolvia o descampado onde se encontrava o túmulo de Jesus. Só duas coisas poderiam chamar ali a atenção de um passante solitário: uma grande pedra circular – que servira para fechar verticalmente a entrada do sepulcro – fora rolada e estava posta a um lado; e perto da entrada escancarada, uma mulher, em pé, soluçava baixinho, com um leve estremecer de ombros, de modo que os primeiros raios de sol faziam cintilar as lágrimas que lhe escorriam pelas faces. Era Maria Madalena.

Entretanto – lemos no Evangelho de São João -, Maria conservava-se do lado de fora, perto do sepulcro, e chorava (Jo 20,11). Era a segunda vez, naquele amanhecer de domingo, que Maria ia até ao sepulcro de Jesus, incansável no seu empenho por prestar uma última homenagem a nosso Senhor, depois da sua paixão e morte. Ajudada por outras santas mulheres, queria ungir-lhe o corpo – que na sexta-feira santa só tinham podido ungir às pressas e de modo incompleto – com os aromas que haviam preparado.

Foi assim que Maria Madalena chegou ao túmulo juntamente com Maria, mãe de Tiago e Salomé, suas amigas. Estas últimas – conta São Marcos – fugiram, trêmulas e amedrontadas (Mc 16,8), ao verem que o sepulcro estava vazio. Maria, porém, foi correndo à procura de Pedro e João, para lhes dizer, quase sem fôlego: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram (Jo 20,2).

Há espanto geral. Recuperados do primeiro susto, os dois Apóstolos saem em disparada e ela vai atrás. Quando chegam ao túmulo, entram, e ficam perplexos ao ver que, além de estar vazio, os panos com que tinham amortalhado o cadáver de Jesus permaneciam intactos, com o mesmo formato que tinham quando envolviam o corpo de Cristo, só que agora aplanados, como se o corpo do Senhor os tivesse atravessado, esvaziando-os sem nem mesmo tocá-los; e o sudário que lhe cobrira a cabeça estava cuidadosamente enrolado, também intacto, a um lado. Pedro e João, emocionados e perplexos, sentiram as pernas tremer e o coração rebentar, e voltaram correndo ao Cenáculo para avisar os outros. Maria, porém, não arredou pé de lá. Não queria ir-se embora. Queria encontrar Jesus, queria honrá-lo com carinho, mesmo que fosse apenas um pobre cadáver dilacerado. Por isso estacou ali, imóvel, chorando.

As suas lágrimas silenciosas eram a expressão do seu amor. São Gregório Magno, o grande Papa do século sexto, tem um comentário muito bonito a este respeito: “E nós temos que pensar – diz ele – na força tão grande do amor que inflamava a alma daquela mulher, que não se afastava do sepulcro do Senhor, mesmo quando os apóstolos já tinham voltado. Buscava a quem não encontrava; chorava procurando-o e, consumindo-se no fogo do seu amor, ardia no desejo de encontrar aquele que imaginava roubado”.

Enquanto estava assim, desolada, o Evangelho nos descreve que chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro. Viu dois anjos vestidos de branco… Eles perguntaram-lhe: “Mulher, por que choras? ” Ela respondeu: “Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram” (Jo 20,13). A Madalena suplicante, toda “procura”, encarnava nesses momentos aquelas palavras do profeta Isaías: A minha alma desejou-Te, meu Deus, durante a noite e, dentro de mim, o meu espírito procurava-Te (Is 26,9). Assim buscava Jesus.

O Evangelho continua, e dá-nos alegria acompanhá-lo: Ditas estas palavras, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu. Perguntou-lhe Jesus: “Mulher, por que choras? Quem procuras?” (Jo 20,15). Comove-nos ver Jesus ressuscitado, Jesus em pessoa, indo ao encontro daquela pobre criatura, como o pai que desfruta por dentro ao pensar na surpresa maravilhosa que preparou para o filho. E é muito bonito perceber – para quem conhece e medita o Evangelho – que, depois da ressurreição, Jesus se mostra mais humano ainda, se possível, do que quando andava com os seus pelos caminhos da Galileia e da Judéia. Torna-se mais próximo, afetuoso, acessível. E aparece com uma nova carga de alegria: “diverte-se”, por assim dizer, alegrando os seus amigos com atitudes cheias de “bom humor”, de um divino e delicioso bom humor.

Para captar isso, basta continuar a acompanhar esse diálogo do Senhor com Madalena. Quem procuras? – pergunta-lhe Jesus -, e ela, supondo que fosse o jardineiro, respondeu: “Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste, e eu o irei buscar”. Cristo não quer prolongar mais a aflição, e manifesta-se abertamente: Disse-lhe Jesus: “Maria!”

O Evangelho aqui balbucia, só sabe repetir a exclamação que saiu daquela Maria estremecida de gozo, com os olhos arregalados e o coração prestes a explodir: Voltando-se ela, exclamou em hebraico: Rabôni!”, que quer dizer “Mestre!”… Nesse exato momento, Jesus a olha com ternura e a “nomeia” sua primeira mensageira da fé, da alegria da Ressurreição: Não me retenhas… Vai aos meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. Maria Madalena correu (nesse dia, realmente, não parou de correr…) para anunciar aos discípulos que tinha visto o Senhor e contou o que Ele lhe tinha falado (Jo 20,15-18).

* * *

Jesus parecia ter abandonado Maria Madalena. Mas Jesus nunca nos abandona. Neste episódio de Maria Madalena Jesus nos ensina, e isto alimenta poderosamente a nossa esperança, que nunca abandona aqueles que o amam e que quem procurá-lo, sempre vai encontrá-lo. Pode parecer que Ele desapareceu, que deixou de existir. Mas não, Deus nunca desaparece e nunca morre.

ESPERANÇA (2): LIÇÃO DE JESUS COM MARIA MADALENA

You may also like

DOUTRINA (12): PECADO ORIGINAL (3)
EVANGELHO Jo 16, 12-15 Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: ...
JESUS CRISTO: O AMOR POR ELE (2)
EVANGELHO - Jo 15, 26 - 16, 4a Naquele tempo, disse Jesus aos seus ...
JESUS: O SEU CORAÇÃO REVELADO NA ORAÇÃO SACERDOTAL
EVANGELHO - Jo 17, 11b-19 Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu ...
PROVIDÊNCIA DIVINA (16): INSTITUIÇÃO NO MEIO DA SELVA
EVANGELHO - Jo 15, 18-21 Naquele tempo, disse Jesus aos seus ...
SÃO FELIPE E SÃO TIAGO: SEGUIR O EXEMPLO DE FELIPE
EVANGELHO - Jo 14, 6-14 Naquele tempo, Jesus disse a Tomé: "Eu sou o ...
PROVIDÊNCIA DIVINA (15): DOIS EXEMPLOS PRÓXIMOS A MIM
EVANGELHO - Jo 15, 9-11 Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: ...
PROVIDÊNCIA DIVINA (14): CRUCIFIXO DE SÃO FRANCISCO XAVIER
EVANGELHO - Jo 14, 27-31a Naquele tempo, disse Jesus a seus ...
SANTA CATARINA DE SENA: SUA VIDA, 10 MANDAMENTOS
EVANGELHO - Jo 14, 21-26 Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: ...
JESUS CRISTO: SEM MIM NADA PODEIS FAZER
EVANGELHO - Jo 15, 1-8 Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: ...
JESUS CRISTO: SEGUI-LO É FAZER OBRAS MARAVILHOSAS; SEM ELE NADA PODEMOS FAZER
EVANGELHO - Jo 14, 7-14 Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: ...
Page 2 of 20
Rolar para o topo